• Manuel Banet

GESTÃO DO SISTEMA FINANCEIRO MUNDIAL

Image result for incendio florestal
                                  

O problema central da gestão financeira mundial pode comparar-se à gestão da floresta.  Não vou aqui tentar fazer passar uma teoria esotérica, que ligasse os fogos florestais a aspectos dos mercados financeiros, ou vice-versa.  Tentarei uma abordagem por analogia, exemplificando através de metáfora, o que ocorre neste momento, no mundo económico e financeiro.
Assim como a boa gestão da floresta, implica que se faça o desbaste, se retire a madeira morta e o restolho, que formam um material combustível muito fácil de atear, sobretudo quando a terra está seca, no pino do Verão... assim, uma boa gestão dos efectivos monetários mundiais, deveria apontar idealmente (embora isto seja apenas um número para o qual se tende) para um equilíbrio, para uma constância da massa monetária. Só assim, a economia mundial poderia ser apropriadamente servida pelas políticas financeiras, ou seja, pelas políticas destinadas à gestão do dinheiro.  Mas, o que tem sido a realidade dos últimos decénios?  - Desde o abandono, pelos Estados Unidos, do padrão ouro, negando a convertibilidade dos dólares em ouro, em 1971, que a economia mundial tem vivido de crise em crise, cada qual mais grave que a precedente. Ora, esta sucessão de crises, com a destruição de riqueza que ocorre, tem um grave custo - sobretudo para as economias mais pobres, que não têm excedentes que permitam aguentar os momentos difíceis e retomar o investimento em sectores produtivos, nas épocas de bonança.  Com efeito, as crises financeiras, ao destruírem imensas quantidades de capital, investido em activos especulativos, sobre-valorizados, são também elas nefastas para a economia «real», a que corresponde - não às bolsas e aos especuladores - mas a obras concretas, a produtos comerciáveis, a serviços necessários à população.  Durante a fase de acumulação duma bolha especulativa, os capitais disponíveis são canalizados para estes activos inflacionados, quer sejam acções de empresas, propriedades imobiliárias, ou outro tipo de bens... Isto significa que muito investimento produtivo, o que teria capacidade de gerar lucro, mais-valias, vai ficar sub-capitalizado, vai estagnar ou retrair-se, porque não tem o financiamento adequado. Os bancos centrais e os governos - principalmente do chamado «Ocidente» - são largamente responsáveis, sobretudo desde 2008, mas antes também, do inflacionar de bolhas especulativas, através de vários processos, como irei detalhar abaixo. Note-se que, embora as justificações utilizadas se refiram ritualmente ao «auxílio da economia», há na verdade, um impedimento real da economia funcionar. 
Ao suprimirem-se os mecanismos auto-correctores e portanto optimização do capital e dos esforços investidos, a economia não é auxiliada, mas sim desbaratada.  Os banqueiros centrais sabem isto perfeitamente, pelo que o discurso deles, tal como o dos políticos, é apenas para manter as aparências e acalmar as pessoas. - Os bancos centrais criaram um enorme excedente de massa monetária, na sequência da crise de 2008, com o pretexto de salvar o planeta da bancarrota em cascata dos diversos bancos comerciais, incluindo dos países mais centrais no sistema (Estados Unidos e certos países europeus). Esta massa monetária foi directamente para as reservas dos grandes bancos, não foi para a economia real. Assim, embora os bancos tivessem sido salvos da falência, na economia real observou-se uma recessão brutal, da qual não se terá ainda saído, segundo alguns economistas. - As constantes compras, pelos bancos centrais, de activos (muitos deles «tóxicos», como os pacotes de crédito hipotecário, recheados de contratos não cobráveis!), vieram fornecer um excesso de liquidez, disponível para a banca e a finança, as quais emprestaram, a juros muito baixos, a grandes corporações - Apple, Microsoft, Facebook, etc, etc. Estas, em vez de se servirem desse capital emprestado para expandir o seu negócio, o diversificar, ou aplicar em investigação e inovação, foram usá-lo para auto-compras das suas acções em bolsa, propulsando assim as cotações a alturas inéditas. As outras empresas cotadas, acabaram também por subir, por arrastamento, independentemente do seu valor real. Note-se que os especialistas das bolsas e das empresas industriais cotadas, sabem avaliar - com alguma precisão - uma valoração bolsista, em relação à estimativa do valor da empresa (activos próprios, valor que é capaz de gerar no mercado, etc.): Quando existe uma bolha, não apenas as cotações bolsistas chegam a atingir 30 vezes ou mais, do valor real estimado, há também uma atracção para mais capital se investir, o qual será irremediavelmente perdido, quando estas bolhas bolsistas rebentarem.  É um mito pensar-se que a maior parte dos investidores, pequenos ou grandes, têm a habilidade de se retirar a tempo e salvaguardar o lucro decorrente da subida, vendendo pouco antes do mercado inverter e iniciar uma descida, tanto mais que esta é frequentemente vertiginosa, um «crack».
- O dinheiro, nas mãos de alguns ricaços, acaba por ir parar a activos «sólidos», em particular, o imobiliário: gera-se então uma bolha «secundária» neste sector, na medida em que ele é propulsionado pelos lucros feitos inicialmente no mercado bolsista (acções e obrigações). As pessoas com rendimentos fracos ou moderados, mesmo em economias que estejam a funcionar razoavelmente, ficam excluídas do acesso à habitação. Em particular, este fenómeno tem ocorrido na América do Norte (Estados Unidos e Canadá), no Extremo Oriente (Japão, Coreia do Sul, Hong-Kong, Singapura...) e na Europa Ocidental (Paris, Londres, Madrid, Zurique, etc...). 
Com a política continuada de taxas de juro próximas de zero ou negativas, as disfunções multiplicam-se, sendo particularmente grave, o desincentivo da poupança: havendo taxas de juro (decretadas pelos bancos centrais) próximas de zero e inferiores aos índices (oficiais) da inflação, as pessoas têm tendência a gastar todo o excedente, vivendo muitas vezes em dívida permanente, através do recurso excessivo aos cartões de crédito. Se é verdade que o consumo é estimulado pelas baixas taxas de juro, o que teoricamente irá estimular a indústria, também é verdade que as pessoas do «Ocidente» se transformaram em consumidoras vorazes de produtos manufacturados no «Oriente» (China, Indonésia, Tailândia, Vietname, etc). Das poucas indústrias transformadoras que se observam no Ocidente, muitas delas têm graves problemas de solvência; não foram estas que os financeiros e os governos escolheram ajudar....
Hoje, é claro que as taxas de juro a praticamente zero ou negativas, durante longos períodos são causadoras de distorções nos diversos mercados, promovem a criação de bolhas, estimulam a especulação imobiliária, estimulam um consumo sumptuário ou não essencial, arrastam as empresas industriais do Ocidente para a falência, acentuando a desertificação industrial deste.
A estimulação de uma «economia de casino», de actividades especulativas, a injecção constante de capital nas bolsas pelo mecanismo atrás descrito, acentuam os ciclos de «boom-bust» ou de «pára/arranca». Com efeito, embora estes ciclos sejam intrínsecos ao capitalismo, eles são exacerbados pelos movimentos frenéticos de capitais, de uma zona geográfica para outra e de um sector industrial para outro, literalmente «à velocidade da luz». 
Por fim, os próprios governos, embora sejam apologistas de políticas ditas de «austeridade» para o povo, continuam a pedir emprestado, através de «bonds» do tesouro a juros ridiculamente baixos e distorcidos, em vez de fazerem cortes naquilo que efectivamente são despesas inúteis ou mesmo nefastas, como as despesas com armamentos, e outras. 
- Os juros baixos permitem que os governos mantenham «rolando» as dívidas acumuladas. Hoje, o endividamento superior a 100% do PIB, tornou-se algo muito «banal», quando há apenas dez anos atrás, constituía um «escândalo».  De facto, o endividamento excessivo permanece um escândalo, pois os juros -que saem dos orçamentos dos Estados - vão para os bancos e para uma oligarquia já muito rica, enquanto estas somas poderiam servir para programas que desenvolvessem o país. Mas também é um escândalo, porque esse capital continuará a ser devido pela população do país em causa, ou seja, vai afectar à partida as gerações futuras.  É como se, gastássemos à tripa forra e deixássemos dívidas tais que, apenas a geração dos filhos e dos netos a podia pagar.  Não estou a dizer que somos nós - cidadãos - que geramos AQUELAS DÍVIDAS que os Estados fazem quando obtêm empréstimos nos mercados financeiros; estou a dizer que somos - apesar da sua atribuição em nada nos favorecer - NÓS, OU NOSSOS FILHOS, OU NETOS, que as teremos de pagar, mais cedo ou mais tarde... As quantias existentes nos mercados mundiais, de divisas às quais corresponde um valor fictício, são como a madeira morta, as ervas secas, que formam o combustível para um grande incêndio florestal. Se este restolho estiver presente em pequena quantidade, o incêndio é controlável. Se for o contrário, vastas extensões de floresta, ou seja, inúmeras unidades produtivas, serão devoradas pelas chamas.  As quantias excedentárias, ou de unidades fictícias (ou «fiat»), são como a madeira morta, o combustível, numa crise global. Elas serão causadoras de ruína, de incontáveis sofrimentos dos povos. Sofrerão aqueles que não têm culpa nenhuma do estado em que se encontra a economia e as finanças mundiais.  Os responsáveis verdadeiros - temo bem - ficarão ocultos, nem sequer serão incomodados, pois a ignorância da plebe é o melhor resguardo dos oligarcas que nos governam.




Ver o original em 'Manuel Banet' (clique aqui)

  • Criado em .

Comentários (0)

There are no comments posted here yet

Deixe os seus comentários

  1. Posting comment as a guest. Sign up or login to your account.
0 Characters
Anexos (0 / 5)
Share Your Location
LOGO4 vert01
A Plataforma Cascais - movimento cívico é um grupo aberto de cidadãos, autónomo de quaisquer interesses económicos, religiosos ou partidários.
Todas as publicações deste site refletem apenas as opiniões dos seus autores e não responsabilizam a PC-mc
exceto quando expressamente assinadas por esta.
 

SSL Certificate
SSL Certificate

Para estar informado(a)

Registo para receber a informação da Plataforma Cascais

captcha