• Início
  • Artigos
  • Cascais
  • Alforrecas invadem praia de S. Pedro do Estoril e obrigam a içar Bandeira Vermelha

A morte do BAIRRO IRENE tem prazo certo: 10 anos

                                                                              26 ABRIL 2019
Não vou falar do processo através do qual a Santa Casa da Misericórdia de Cascais “cedeu” à Câmara Municipal (CMC) aquilo que lhe tinham dado apenas para cuidar, nem da eventual ilegalidade do mesmo. Vou falar, sim, daquilo que agora está a ser feito pela CMC a quem vive lá há dezenas e dezenas de anos.
 
Depois de, em 2017, o Presidente da Câmara Municipal de Cascais ter dito que “queria ajudar” os moradores, muitos dos quais residem no Bairro há mais de 50 anos, está agora a Câmara, através da empresa municipal Cascais Envolvente, a forçar os mesmos a assinar contratos de arrendamento com cláusulas escandalosas e por um prazo ridículo, alegando que, se não os assinarem, poderão ser despejados das casas onde sempre viveram! É esta a conceção de “preocupações sociais” que a CMC revela.
 
Mais: há casos de pessoas que não sabem ler nem escrever a casa de quem funcionários da Cascais Envolvente se deslocam e fazem colocar o dedo em contratos cujo conteúdo e alcance as mesmas desconhecem e não entendem e cuja “assinatura” é depois reconhecida sabe-se lá por quem! Há casos de pessoas ameaçadas de lhes ser cortada a água e/ou a luz. Há casos de pessoas a quem, subitamente, é aumentado o valor da renda – quando nem ainda está verdadeiramente determinada a propriedade das casas!
 
Há sensivelmente dois anos foi perguntado às pessoas se estavam interessadas em comprar as casas ou em manterem o arrendamento. Hoje, recusam dar informações a quem solicita saber quando será a venda realizada. Aliás, elementos da Cascais Envolvente referiram até que a empresa e/ou a Câmara Municipal de Cascais podem não querer vender… 
 
Mas, como se tudo isso não bastasse, os contratos de arrendamento que têm vindo a ser impostos estabelecem claramente o prazo: 10 anos, renovável por períodos de 1 ano, podendo qualquer das partes opor-se à renovação. O que significa que a morte do Bairro é quase certa e tem prazo: 10 anos.
 
Mais: os ditos contratos contêm também cláusulas “de bradar aos Céus”! Veja-se, a título de exemplo a cláusula que estabelece que o inquilino “presta desde já o seu consentimento para a sua transferência, e do respetivo agregado familiar, para habitação de tipologia adequada ao mesmo, dentro do concelho de Cascais ou concelho limítrofe”, se a CMC “por razões de gestão do parque habitacional do Município de Cascais” declarar que tem necessidade que as casas sejam desocupadas! Ou a cláusula que, em caso de cessação do contrato, “houver evidências de danos na mesma, resultantes de obras não autorizadas ou de não realização de obras exigidas [pela CMC ao inquilino], [a CMC] tem direito de exigir (…) o pagamento das despesas por aquela suportadas com a realização das obras necessárias para reposição da habitação mas condições iniciais, acrescidas de 25% (vinte e cinco por cento) do valor das mesmas”!!!!
 
A estratégia da CMC está, pois, claramente definida: não interessa há quantos anos as pessoas lá residem; não interessa aquilo que as pessoas pagavam à Santa Casa ou se pagavam; não interessa se o negócio da CMC com a Santa Casa é ou não válido; não interessa o quanto as pessoas gastaram para melhorarem as suas habitações, obras que a Santa Casa nunca fez apesar de obrigada a tal; não interessa se as pessoas sabem ler ou compreendem os contratos que agora lhes são impostos. Interessa apenas ficar com um papel através do qual a CMC obtém o reconhecimento da sua posição de proprietária das casas e a certeza de quem, dentro de 10 anos, as pode tirar de lá. E, até, antes disso, enviando-as, no limite, para Sintra ou Oeiras.
 
A misericórdia existe mas não é certamente apanágio desta Câmara Municipal de Cascais!


*Os artigos de opinião publicados são da inteira responsabilidade dos seus autores e não exprimem, necessariamente, o ponto de vista de Cascais24.

Ver o original em "CASCAIS24" na seguinte ligação::

http://www.cascais24.pt/p/nao-vou-falar-do-processoatraves-do.html

Artigos relacionados

Amnistia lança alertas sobre habitação em Portugal
Amnistia lança alertas sobre habitação em Portugal A Amnistia Internacional apresentou as suas sugestões de recomendações a Portugal, no âmbito da Revisão Periódica ... 64 views Thu, 02 May 2019, 11:30:41
Milhões de lucros ou de incompetência?
Milhões de lucros ou de incompetência?                             &nbs... 100 views Sat, 13 Apr 2019, 21:43:50
Afinal a grossura importa?
Afinal a grossura importa?                             &nbs... 78 views Thu, 11 Apr 2019, 16:46:34
Carreiras ameaça "não dar tréguas" aos contestatários da Quinta dos In...
Carreiras ameaça "não dar tréguas" aos contestatários da Quinta dos In... Por Redação 10 abril 2019 “Na Quinta dos Ingleses, como noutros assuntos, os novos demagogos fazem deliberadam... 325 views Thu, 11 Apr 2019, 09:42:14
Sintra ultrapassa Cascais na categoria viver
Sintra ultrapassa Cascais na categoria viver O município de Sintra subiu um lugar na categoria regional viver tendo ultrapassado Cascais, revelam os dados da sexta e... 85 views Wed, 10 Apr 2019, 14:36:28
Nestlé já não troca Oeiras por Cascais
Nestlé já não troca Oeiras por Cascais Era suposto o novo projeto em Carcavelos criar 1200 novos postos de trabalho. Mas a multinacional suíça optou por invest... 80 views Mon, 08 Apr 2019, 22:57:08

Município de Cascais, Habitação

  • Criado em .
  • Visualizações: 115
Participe na Rede

Para estar informado(a)

Registo para receber a informação da Plataforma Cascais

captcha